Blog

Ser Mulher

SerMulher2

Semana passada foi uma semana de comemorações, mensagens e lembranças carinhosas pelo Dia Internacional das Mulheres.

Ficou, pra mim, a reflexão do universo feminino nos dias atuais e das exigências circunstanciais para as mulheres.

Oportunamente tive a demanda de uma palestra sobre as Super Mulheres e me pus a pensar: quem são estas mulheres? Quais as exigências a que estão submetidas? Quais as entregas que fazem no dia a dia?

São profissionais de sucesso, com disponibilidade de horário total às exigências corporativas, são mães amorosas e presentes em todas as etapas e momentos dos filhos, são amantes calientes, perfumadas, lindas e carinhosas. São amigas, companheiras, cumplices e administradoras irretocáveis da rotina do lar.

São patroas e funcionárias, são filhas, irmãs, são responsáveis pelo bem e pelo mal da humanidade quando lhes colocamos nas mãos suas crias para que sejam educadas, amadas e bem sucedidas.

Será mesmo possível atender a todas estas demandas? E como lidamos com estas entregas?

Quantas vezes pensamos que somos capazes de tudo isto e nos frustramos quando algo não vai conforme o esperado?

Minha percepção é fundamentada no meu dia, nas minhas entregas, nas demandas constantes e grandiosas que se apresentam em todos os momentos. Demandas de tempo, de mediação, de articulação, todas elas complexas e intensas.

Olho para minha rotina e não me satisfaço porque a expectativa foi para além de mim, além da minha humanidade.

Sou mãe, faço tudo e muito mais para ser perfeita, mas não sou.

Sou profissional e entrego meu melhor, mas não é suficiente pra mim.

Sou amiga, irmã, filha e não consigo sequer ser presente em ocasiões significativas destas relações.

Sou tudo e não sou todas, mesmo que eu tente a humanidade não me permite.

Ser mulher, hoje, é ser além da humanidade e isto não é humano.

Aprendi a ser o que sou, meu melhor em todas as frentes e não “a melhor”.

Meu máximo nas pessoas, meu possível nos processos e nas coisas.

Sou mulher, sou mãe, amiga, companheira, filha, irmã, profissional…

Sou o que a humanidade me permite ser, com as cores mais fortes, os aromas e sabores mais intensos, o amor e o calor de quem é mulher.

Publicado na categoria: Blog Tags , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

17mar

Ser Mulher